Cronica De Uma Vida.

cronica de uma vida
Na vida entramos indefesos e cheios de esperança, pois, nada no momento se pode fazer senão receber o alimento para a vida, receber o alimento para viver o amor dos que nos trouxeram para cá e aguardar a nossa vez de crescer. E com a ajuda de todos começamos a perceber o que se passa ao nosso redor, sem entender, sem reclamar vamos dormindo, chorando para alertar, gritando se algo em nós nos faz sentir dor e assim o tempo vai passando e a cada momento se aproxima a nossa vez de participar com nosso pensamento de dúvidas, de certezas e na inocência da culpa vamos tomando nossas próprias atitudes, hora de aventureiro, hora de sonhador; marcando nosso ser no meio da sociedade em que estamos.

Tudo isso narro sem citar os fatos superados do dia a dia na vida de cada um, pois, cada um recebe seu quinhão para no futuro fazer valer as recompensas ou juízos, marcar com sua passagem no tempo e na terra. Algumas coisas mudamos para equilibrar o que devemos enfrentar no amanhã. Nos ensinam a ter fé e acreditar num ser superior e nas promessas de dias melhores, quando eles mesmos não demonstram acreditar no que ensinam. Deixamos de acreditar em muitas coisas que não queríamos e o tempo vai passando, crescendo, aprendendo, sofrendo e sorrindo. Uns tentando entender tudo isso, outros preferindo se valer do prazer.

E o tempo passa até que passou e é hora de voltar, mas como aceitar a volta se nem chegamos aonde queríamos chegar? – mostrar aos demais o nosso valor e aprender o que não aprendemos no tempo.

Nós vamos deixando para traz no tempo aqueles a quem amamos e que nos amam também, mas, diante de tudo isso o que realmente importa é que viemos, vivemos e partimos do jeito, da forma que pudemos participar, mas compreendo que se tudo que passei e vi outros passarem não fossem importantes para quem nos criou, certamente não haveria vida.

Texto Escrito por, Natan Felipe Olmes Burchtein em, 23/06/2011 as 21:43


Em sua memória: Henrique Neves, um aluno ainda em aprendizagem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar