Amigos Verdadeiros

Amigos Verdadeiros
Narra uma crônica que um homem andava por uma estrada, acompanhado de seus fiéis animais: um cavalo e um cão.

Pelo caminho, um  raio os atingiu e os três foram fulminados.
O homem não se deu conta que morrera e continuou andando, com seu cavalo e seu cão.

Longa era a caminhada, morro acima. O sol estava muito forte e a sede passou a castigá-los.

Numa curva do caminho, o homem avistou um portão magnífico, que conduzia a uma praça calçada com blocos de ouro.

Cumprimentando o guardião da entrada, o homem perguntou que lugar era aquele. Descobriu que ali era o Céu.

Feliz em saber que estava em um local tão agradável, indagou se poderia saciar a sua sede e a dos seus amigos, nas águas cristalinas da fonte que havia bem no centro da praça.

O senhor pode entrar e beber à vontade. - disse o guarda. Mas aqui não se permite a entrada de animais.

O caminhante ficou muito desapontado. Grande era a sua sede, mas decidiu que não beberia sozinho.

Preferiu continuar sua caminhada. Exausto, mais adiante, deparou-se com uma porteira que se abria para uma estrada de terra, ladeada de árvores.

À sombra de uma das árvores, um homem estava deitado, cabeça coberta com um chapéu. Parecia dormir.

Estamos com  muita sede, meu cavalo, meu cachorro e eu - disse o caminhante.
Indicando uma fonte, entre algumas pedras, foi-lhe dito que poderia beber à vontade.

O caminhante, o cavalo e o cachorro foram até à fonte e mataram a sede. Em seguida, ele retornou para agradecer.

E resolveu indagar: A propósito, como se chama este lugar?
Aqui é o Céu - foi à resposta.
Céu? - exclamou o caminhante, surpreso. Mas já passei pelo Céu. Era um lugar muito bonito com um grande portão de mármore.
Aquilo não é o Céu, esclareceu o outro. Aquilo é o Inferno.
O caminhante ficou perplexo.
Mas, vocês deviam tomar uma providência. Com a informação errada, que lá, naquele lugar, é dada, pode ocasionar muita confusão. Muitas pessoas podem ser enganadas.

O homem sorriu e calmo, explicou:
Na verdade, eles nos fazem um grande favor, porque lá ficam todos aqueles que são capazes de abandonar seus melhores amigos.
*   *   *
Fácil é a conquista e manutenção de amigos, quando a juventude compõe versos e a riqueza sorri.

Contudo, é na forja da adversidade e das graves problemáticas, que os verdadeiros amigos se revelam.

São esses que permanecem ao nosso lado, mesmo quando o mundo inteiro nos volta as costas.

São eles que prosseguem conosco, mesmo que nos vistamos com os andrajos da pobreza e o infortúnio nos abrace.

Pensemos nisso.



Redação do Momento Espírita, com base em crônica de autoria de Paulo Coelho, 
publicada no Jornal O sol nascente (RJ), de janeiro de 2009.
Em 27.03.2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar