Andarilho - Lembranças de Outra vida

Andarilho - Lembranças de Outra vida
Hoje ao admirar o céu de estrelas observei uma com um brilho mais intenso, então voltei no tempo; um tempo em que vivi d acordo as minhas vontades, pois meu ego machista não me permitia descobrir o brilho do amor.

Lembrei-me dela. A estrela que iluminava a minha vida e que me amou intensamente, mas, que ao meu lado viveu a amargura do ego que me assombrava, e do orgulho que não me permitia descobrir a felicidade. Por tantas vezes e durante tanto tempo ela tentou me libertar, mas, meus olhos vendados não me permitiam enxergar sua beleza, pois o espirito materialista era um forte carcereiro. Hoje, livre, vejo toda a verdade que me faz lembrar-se de outra vida; vida em que pisei na alma que foi escolhida a viver ao meu lado e que, eu, deveria ter dividido não bens materiais, mas, o amor.

Hoje, estou liberto de mim; talvez se tivesse me libertado há algum tempo atrás ela não seria apenas lembranças, e sim, uma vida juntos em liberdade e verdadeiro conhecimento do amor, mas, mesmo assim agradeço a Deus por me ajudar a me libertar de mim; agradeço, pois, ainda ouve tempo para mudar minhas escolhas e trilhar um novo caminho.

Hoje vi naquela estrela seu rosto, e diante a luz da lua escrevi na areia, "perdoe-me", pois hoje descobri o sentido das almas e suas predestinações. "perdoe-me", por não ter percebido, por não enxergar que Deus havia predestinado nossas almas a viverem juntas na eternidade, mas, apaguei a luz que contemplava nosso lar e ofusquei o sorriso que dava luz a minha vida. "Perdoe-me", por não ver que seu amor era tão sublime que não predestinava-se apenas a mim, mas, a todos que desconheciam o sentido do amor; essa era você, que nasceu liberta e soube permanecer livre. "Perdoe-me por não ter conseguido me libertar ao seu lado, mas, sinta-se feliz, pois consegui me libertar a tempo.

Hoje sigo o caminho que Deus aponta, e vivo para levar sua a luz a todos; principalmente os que permanecem no escuro, trancafiados na ignorância e submissos ao ego, ao orgulho e a mentira, assim como permaneci por muito tempo.

Hoje, estou liberto de mim, encontrei o caminho e sigo caminhando até quando Deus mandar que eu pare.
Hoje, ainda sou e continuo sendo um Andarilho.

Henrique Neves


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar