Constante Invariáveis

o mundo de hoje
Houve um tempo em que, o tempo tudo mudou, mas, não mudou por completo, pois houve invariáveis. Constante o tempo que se vale do momento em que, o momento se perde e não permite o tempo voltar, mas, aliás; o tempo pode voltar? – A medida do tempo é constante em tempos de tormenta; a peste avassaladora, a fome que assola o mundo dos miseráveis, a “sede” de justiça, a “seca” da verdade.
É constante o tempo de impunidade, mas, apenas para o nível hierárquico elevado e para uma posição financeira ultra sustentável, pois, um individuo sem nome sofre as penalidades da justiça; o individuo que nada pode oferecer já que, até mesmo um contraventor ou um fora da lei que gere fama, consegue livrar-se facilmente das penalidades da justiça, pois, a própria justiça deriva-se de sua conduta contradizendo a verdade “estampada na cara”.

Invariáveis; um país que desdobra-se milionariamente em construção de monumentos e deixa a deriva a precariedade humana visível aos olhos do mundo, mas, constante o tempo; tempo moderno que enriquece a ignorância escondendo a verdade disfarçada de preconceito. O apocalipse, o caos que a “sociedade humana” prefere não enxergar.
Houve um tempo em que brincava-se na infância; houve um tempo em que crianças eram educadas e o respeito prevalecia, pois, a educação era dada literalmente pelos pais sem qualquer intervenção de interesse político, ou de “infraestrutura pessoal” em que o ego medíocre e vaidoso desordena a natureza de Deus.
É constante o tempo em que tudo tornou-se normalidade e que, qualquer palavra fora do eixo tornou-se, “Bullying” ou “preconceito” e qualquer palavra ou atitude mal interpretada virou sinônimo de processo. Hoje! – temos que aceitar tudo, não temos o direito de discordar e de não aceitar atitudes contrarias ao nosso ensinamento.

Invariáveis; país onde consegue-se levar 10.000 pessoas a shows, carnavais e micaretas, mas, não consegue-se levar 1000 a lutar por seu direitos, pois há um total desconhecimento da causa e do tamanho agravante da corrupção e crimes hediondos, mas, é constante o tempo em que meninas sem nenhuma estrutura, sem nenhum apoio familiar se tornam mães – ah! – mas, houve tempos atrás em que meninas tornavam-se mães, sim, houve esse tempo, mas também era o tempo em que casamentos eram levados mais a sério; sim, houve tempos atrás em que meninas também tornavam-se mães de: um, dois, três... dez filhos, mas, de um único homem; nem todas, concordo, mas não chegavam a 10% do que é hoje, pois dava-se valor a conduta moral.

É constante o tempo em que, crianças e adolescentes desrespeitam, xingam e agridem professores que nada podem fazer, pois há pais que não admitem que um professor chame a atenção de seu filho, e um governo que coíbe o professor de tomar qualquer atitude, mas, houve um tempo em que até os pais respeitavam os professores, pois sabiam que eram deles a responsabilidade de ensinar os nossos futuros médicos, advogados, professores a até mesmo nosso futuros governantes. Deve ser por isso que os governantes de hoje tentam de todas as formas oprimir a educação brasileira, pois enquanto houver desordem, orgias e o “lixo” sonoro que influência a juventude; não haverá discernimento entre o certo e o errado e a verdade será sempre varrida para debaixo do tapete, dando assim, a eles “governantes” tempo suficiente para preparar seus sucessores que alardearão o povo fingindo ser a seu favor.

É constante o tempo do fanatismo em que acredita-se apenas em sua verdade, ou em palavras de atos ateu, que aproveita-se da fé do inocente e ignorante que não consegue ver que está praticando atos contrários a palavra, pois quem usa a palavra e a fé de um inocente para enriquecer, certamente não crê e nem acredita em nada.

É constante Invariáveis; tantas que não há tempo, nem espaço, nem papel suficiente para dissertar tudo.

Em momento algum cito nomes, crenças, religiões , pessoas, ou qualquer partido político – então, se houver qualquer reação de irá ou revolta, de uma olhada no espelho e veja como ficou linda a carapuça em você.

Henrique Neves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar