A vida, os dois lados da moeda

nosso sentimento
Quanto o qual – o sorriso esconde uma tristeza?
Quanto o qual – o sorriso esconde uma dor?
Quanto o qual – a lágrima revela a natureza? – quanto o qual...

Diz um ditado que, o coração é terra que ninguém abita! – penso eu que a vida é um sonho a ser realizado. Desconhecemos toda e qualquer realidade, não sabemos lidar com situações que pensávamos tirar de letra, pois quando deparamo-nos com o fato em real, descobrimos que nada sabemos da vida e que nossos conhecimentos se apagam diante de emoções inesperadas.

Nunca passaria por sua cabeça que uma pessoa que vive sorrindo constantemente, que transparece uma tamanha alegria e que é de uma simpatia que encanta a todos poderia carregar consigo uma tristeza; uma dor que a faz ter vontade de sair correndo e gritando pelo mundo sua angustia. Aos olhos humanos nunca seremos capazes de descobrir, de perceber o que realmente cada um sente por dentro, afinal, o coração é terra que ninguém abita! – apesar de muitas das vezes compartilharmos nossos sentimentos, não demonstramos totalmente o que sentimos, pois na verdade nós mesmos desconhecemos nossos sentimentos, não sabemos realmente o que seriamos capazes de fazer em certas situações, que atitude tomar diante de um acontecimento inesperado. Pensamos, acreditamos em fazer, em tomar a decisão correta dentro daquilo que acreditamos ser correto, ser sensato, mas, será que realmente somos capazes, será que realmente teríamos a consciência ou a frieza de tornar real aquilo que sempre acreditamos ser capazes de fazer? – acredito, eu, que não. A vida é um sonho a ser realizado, a vida é uma caixinha de surpresa, a vida é um livro a ser desvendado.

Quem nunca se deparou com uma situação e ficou surpreso? – quem nunca indagou, poxa fulano fez isso? – não acredito! – é mais acredite, pois o coração é terra que ninguém abita! – não conhecemos as pessoas o quanto realmente pensávamos conhecer. Todos nós carregamos dentro de si a maldade e bondade. Nossa índole independe de nossos ensinamentos, das orientações que recebemos, do que passamos em nossas vidas, do que praticamos, do que seguimos, do que realmente queremos aprender, do que fazemos e assim adiante. Um pessoa boa pode tornar-se ruim, assim como uma pessoa ruim pode torna-se uma pessoa boa. A vida transforma as pessoas. Por isso se não tivermos a orientação correta, se não criarmos um elo com o astral superior, se não criarmos um laço, uma corrente firme com Deus, acabaremos, pois de nos pegar fazendo coisas que não acreditávamos ser capazes de fazer, deixando-nos levar pelo sentimento que nos toma no momento. Assim como a moeda a vida tem dois lados e se tentarmos jogar com a sorte nuca saberemos em qual lado vamos cair.

Autor: Henrique Neves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar