E ele foi ao céu!

aprender a perdoar
E ele foi ao céu! – provavelmente por sua integridade humana, por seus atos honrados e sua dedicação em fazer o bem. Não havia distinção em seu olhar, todos eram iguais. No seu modo de ver todos mereciam uma palavra amiga, um conforto, pois ele acreditava que a maldade que outros cometiam não era por intenção, mas por ignorância; por não conhecer realmente o que o lado espiritual nos reserva; por não saber que a terra é onde devemos nos redimir e tentar sermos melhores uns com os outros para não cairmos em devaneio e nos perdermos no mundo da escuridão e vagar pela terra sombria as quais nossos olhos não enxergam.

E ele foi ao céu! – Deve está ao lado de Francisco de Assis, Chico Xavier entre outros iluminados que tanto tentaram nos ensinar o verdadeiro sentido da vida, mas que por ego, orgulho ou até mesmo por ignorância muitos não lhes deram ouvidos.

E ele foi ao céu! – Muita coisa tentou me ensinar, mas na maioria das vezes não procurei entender. Deixei minha hipocrisia, minha sustentabilidade material me dominar e por conta disto quase me perdi. Que pena que só agora entendi o sentido de suas palavras. Só agora entendi sua real preocupação em nos fazer entender que não adianta almejar riquezas sendo pobre de espírito.

Uma vez vi um homem comer feito um animal e devorar tudo que estava ao seu redor, tudo que seu dinheiro podia pagar sem nem ao menos olhar para o lado e ver que uma criança o observava com os olhos de pedinte implorando por um pedaço de pão. A realidade passa despercebida quando não há humanidade. Quando não exploramos as necessidades alheias e não enxergamos nada a mais além do nosso umbigo e de nossos interesses pessoais. Por isso ele foi ao céu! – Já o vi ficar sem se alimentar para dar o de comer a uma criança. Já o vi cair em defesa de pessoas que não lhe defendiam. Já o vi perdoar pessoas que quase lhe destruíram com suas línguas venenosas. Talvez por isso ele tenha ido ao céu, pois não carregava consigo sentimento de vingança, não desejava que as pessoas lhe pagassem o mal que lhe faziam, pelo contrario, rezava por elas e pedia a Deus para iluminar seus corações para que essas pessoas pudessem enxergar o quanto à vida é preciosa e que pode esvair-se em um segundo.

E ele foi ao céu! – Mas, antes de ir me deixou sua ultima palavra, me fez seu ultimo pedido o qual procuro atender com toda serenidade, o qual busco a orientação divina para não decair e me perder em meus sentimentos. Hoje procuro agir com cautela, com humildade e confiança, pois era o que me faltava para trilhar meu caminho e poder fazer para os outros o bem que gostaria que fizessem para mim.

Atenção! - todos os artigos aqui postados são protegidos por direitos autorais. Você pode copiar desde que sejam dados os créditos ao autor e ao blog/site.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar