Desavença entre irmãos - De quem é a culpa?


briga entre irmãos
Outro dia eu estava conversando com um amigo e estávamos falando sobre família, o quanto às vezes é difícil a convivência familiar, principalmente quando há constantemente intervenção da família no relacionamento de um casal, mas a questão em si não é o relacionamento entre casais, mas de irmãos.

No decorrer do assunto ele me falou sobre a difícil relação que ele tem com seu irmão, que parece mais um desconhecido, e às vezes age até mesmo como se fosse um inimigo. Eu perguntei qual a razão já que ambos eram filhos do mesmo pai e da mesma mão, e tiveram a mesma criação. Ele me respondeu que não, não haviam tido a mesma criação e que sua mãe sempre tomou maior partido de seu irmão, pois por pior que fossem seus erros ela sempre o encobria e não admitia que ninguém falasse nada a respeito de seus erros, enquanto ele sempre era culpado de tudo e ela fazia questão de jogar em sua cara os mínimos detalhes, além de sempre questioná-lo e fazer constantes reclamações sobre ele a seu irmão, que é claro vinha em defesa de sua mãe.

Ouvindo isso parei para analisar não só sua historia, mas como a de muitos que tem uma difícil relação com seus irmãos e me perguntei. De quem é a culpa?

É natural um irmão ter ciúmes do outro em determinados momentos, mas o que leva um irmão a ter raiva e até mesmo ódio do outro ao ponto de tentar de tudo para prejudicá-lo? - No meu modo de ver, acredito que muitas das vezes a culpa parte da própria mãe ou do pai que não fazem questão de esconder sua preferência em relação aos filhos, causando assim um sentimento de ira e revolta. Normalmente o mais rejeitado tende a perder o controle de seus sentimentos, pois acredita que sua mãe ou seu pai não tem por si o mesmo amor que tem por seu irmão, colocando-o, assim, como maior culpado disto, pois acredita que se seu irmão não existisse seus pais não o tratariam dessa forma.
Isto não quer dizer que todo caso é parecido, pois muitas das vezes aquele filho mais rejeitado acaba tornando-se uma pessoa integra, de um bom senso e caráter, enquanto o protegido acaba se tornando uma pessoa de má índole e invejosa, pois foi acostumado a fazer e ter tudo que queria sem ter alguém que o repreendesse por isso.

Será que o amor de mãe precisa ser divido? – O pai não pode dar para os filhos o mesmo ensinamento?

Quando os filhos são de pais diferentes, acredito eu, que o amor em ralação ao outro se dá ao sentimento que sente em relação ao pai. Digo que no meu ponto de vista se o sentimento em relação ao pai for de revolta, a mãe tende a tratar seu filho com indiferença por conta da revolta que sente pelo seu pai. Não estou querendo dizer com isso que todas agem da mesma forma, mas certa parte. E de forma contraria quando ainda há um sentimento de amor em relação ao pai.

Em outros casos a diferença se da por pura ignorância, pelo simples fato de um filho ser mais calmo e o outro mais agitado, um mais efetivo do que o outro, e às vezes de um ser mais semelhante com a mãe ou o pai em vários sentidos.

Mas, será que isto é justificativa para tratar irmãos com diferença? – Em minha opinião, não! – Claro que pode acontecer de os pais não se darem conta do tratamento diferenciado, mas também não gostam de ser alertados sobre isto, pois todo o pai diz que não vê diferença entre os filhos e que todos são iguais, mas na pratica não é o que se percebe.

Em um de minhas procuras achei o blog da Anissis que aborda muito bem o tema,A Diferença que os pais fazem entre os filhos” ela fala muito bem sobre este fator que por muitas das vezes pode ocasionar em guerra entre irmãos, e sobre a culpa dos pais em relação a isto.

 

É dentro de casa, dentro do convívio e do ensinamento dos pais é que os filhos irão aprender a se respeitar como verdadeiros irmãos e ter a consciência de que podem ser diferentes um do outro, mas que o tratamento dos pais é o mesmo, pois ambos são seus filhos.

Henrique Neves.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar