A verdade dói? – A mentira é necessária?



Outro dia assistindo um programa homorístico na tv, o ator estava falando sobre verdade e sinceridade e disse a seguinte frase: Imagine uma roda de amigos onde todos decidissem ser sinceros e dizer somente a verdade em um modo geral, certamente iria rolar uma pancadaria generalizada.



Nós aprendemos desde de criança que não devemos mentir, isso faz parte de uma educação correta, jamais minta, sempre diga a verdade, mas, qual é o momento certo para se dizer a verdade? – Na minha concepção a momentos e momentos, há situações em que uma pequena mentira pode ser necessária, isso não quer dizer quer devemos sempre ocultar a verdade, mas que no momento errado a verdade pode ocasionar em uma desgraça.

A mentira quando não atinge moralmente, integralmente e quando não influência diretamente na vida familiar, ou na relação, pode ser necessária em alguns momentos, por exemplo: para evitar uma discórdia, uma desunião, ou até mesmo evita magoar alguém de quem gostamos.  A verdade é para ser dita, mas é preciso saber como, é preciso ter tato e escolher o momento certo, e principalmente saber usar bem as palavras, pois não é o que se fala, mas como se fala.
Há pessoas que não tem um pingo de senso na hora de falar alguma coisa, fala o que vem na cabeça, sem se preocupar se isso pode atingir diretamente alguém, sem se preocupar que tipo de influência acarretará na vida da pessoa. No meu ponto de vista, em certas situações, devemos preparar a pessoa para receber a verdade, estudar o momento, escolher bem as palavras e saber usá-las de forma adequada. Dependendo do tipo de verdade, provavelmente irá ocorrer uma magoa, uma tristeza e até mesmo uma revolta, mas sabendo usar bem as palavras no momento adequado é possível amenizar bastante o provável sentimento.

Saiba distinguir o tempo entre a verdade e a mentira. Não omita a verdade por muito tempo, pois ela pode aparecer da pior forma possível, tirando qualquer possibilidade de resolver, seja lá qual for à situação, de uma forma tranqüila e amigável.

Até a Próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pollyanna “o jogo do contente”

Não somos filhos da religião, somos filhos de Deus.

Onde encontrar forças para continuar